Anorexia Nervosa

Anorexia Nervosa

A anorexia nervosa (AN) é um transtorno alimentar caracterizado pela recusa do indivíduo em manter o menor peso adequado para sua altura e idade, medo intenso de ganhar peso e um distúrbio na percepção da forma e do tamanho do próprio corpo. O comportamento clássico na AN é uma progressiva e grave restrição alimentar. O paciente normalmente elimina os alimentos que julga mais ricos em calorias e termina por excluir progressivamente vários outros. Questões ligadas ao alimento se tornam centrais na vida dos pacientes. Esta restrição alimentar praticada na AN leva a uma marcante perda de peso; sendo critério diagnóstico a manutenção deste peso menor do que 85% do esperado ou, ainda, falha em manter ganho de peso durante o período de crescimento, levando a um peso menor do que 85% do esperado. Os pacientes frequentemente negam o problema, mostrando-se indiferentes ao seu péssimo estado nutricional. Recusam-se a manter o peso no mínimo - ou acima do mínimo. É também critério diagnóstico o medo mórbido de ganhar peso ou tornar-se gordo, mesmo estando abaixo do peso; os pacientes sentem-se gordos, apesar de todas as evidências contrárias. A perturbação com a imagem corporal e excessiva influência do peso e/ou forma corporal na auto-avaliação, constituem outro critério diagnóstico, juntamente com a negação da gravidade do estado de baixo peso atual. A amenorréia (em mulheres pós-menarca) é mais um critério diagnóstico; sendo que se considera amenorréia a falta de, no mínimo, três ciclos menstruais consecutivos (uma mulher ainda é considerada amernorréica se seus ciclos menstruais ocorrem apenas quando há administração de hormônios estrógenos). O medo de tornar-se obeso leva a comportamentos com a finalidade de perder peso, como exercícios vigorosos, abuso de laxantes e diuréticos e vômitos auto-induzidos em 40% dos casos (subtipo purgativo da AN).

Complicações clínicas

A acuidade gustativa costuma realmente ser reduzida, assim como a motilidade gástrica. O baixo consumo alimentar tem consequências evidentes no estado nutricional com efeitos similares à desnutrição protéico-calórica. O organismo realiza ajustes fisiológicos, que resultam em baixa taxa de metabolismo basal, baixa pressão sanguínea, bradicardia, hipotireoidismo, hipotermia, constipação e alterações no sono. Encontra-se, ainda, pele fria e pálida, estrutura óssea proeminente, sendo a osteopenia e a osteoporose frequentes. É comum, também, queda de cabelos, aparecimento de uma fina camada de pelos sobre a pele (lanugo) e de problemas de pele. Anemia, leucopenia e altos níveis de colesterol total são também encontrados em consequência da desnutrição.

Para saber mais consulte:

POLACOW VO, ALVARENGA M. Complicações clínicas nos transtornos alimentares. In: ALVARENGA M, SCAGLIUSI FB, PHILIPPI ST (Org.). Nutrição e Transtornos Alimentares: avaliação e tratamento. Barueri: Manole, 2010. pp. 173-195.

Downloads relacionados

Autor Redação Genta

Equipe de Redação do Genta

Acompanhe todas as novidades do Genta e ainda ganhe gratuítamente dicas de saúde semanalmente por e-mail

Assinar agora

2017 ® Genta - Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares