Como identificar transtornos alimentares na gestação?



Por Ana Carolina Pereira Costa, nutricionista

Já foi falado aqui no blog sobre como a preocupação com o ganho de peso na gravidez pode ser um fator de risco para um transtorno alimentar (TA). Hoje vamos falar sobre um estudo que acabou de ser publicado que traz que a incidência de transtornos alimentares em gestantes pode ser maior do que se pensava.

A pesquisa contou com a participação de 739 gestantes que foram avaliadas nos três primeiros meses de gravidez e também retrospectivamente, fornecendo dados de 6 e 12 meses antes da gestação. Elas preencheram o questionário ?Eating Disorder Diagnostic Scale?, instrumento que permite diagnosticar transtornos alimentares com base nos critérios diagnósticos do DSM-IV.

Os resultados demonstraram que 0,5% das gestantes apresentavam anorexia nervosa, 0,1% bulimia nervosa, 1,8% transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) e 5% transtornos alimentares não especificados. No período pré gestacional, as prevalências encontradas foram as mesmas, exceto para TCAP, o que indica que os sintomas de compulsão parecem piorar com a gravidez. Entretanto, apesar dessas porcentagens parecerem ?pequenas?, 23,4% das grávidas apresentaram preocupações elevadas com peso e forma corporal, e essa porcentagem era menor no período pré gestacional. Além disso, 8,4% das mulheres relataram presença de compulsão alimentar com perda de controle e 1,1% delas referiu provocar vômitos para tentar compensar o ganho de peso durante a gestação.

O preocupante é que não existe atualmente um padrão para rastreamento de casos de TA durante a gravidez. Por isso, os profissionais que trabalham com esse público devem estar atentos a possíveis sintomas/sinais clínicos: ausência de ganho de peso ou ganho de peso inadequado ao longo dos meses gestacionais (um ótimo instrumento para avaliar isto é a curva de Atalah, que pode ser encontrada aqui); compulsão alimentar frequente com sensação de perda de controle (identificar essa sensação é importante pois muitas gestantes podem ter mais fome e por isso comer a mais, devido à própria gravidez!); vômitos muito frequentes e auto-induzidos por medo de ganhar muito peso; preocupação exagerada com a forma corporal.

Vamos garantir às futuras mães uma gestação de qualidade em todos os aspectos!

Autor Redação Genta

Equipe de Redação do Genta

Acompanhe todas as novidades do Genta e ainda ganhe gratuítamente dicas de saúde semanalmente por e-mail

Assinar agora

2017 ® Genta - Grupo Especializado em Nutrição e Transtornos Alimentares